©2018 by KGB KETTLEBELL GIREVOY BRASIL. Proudly created with Wix.com

Buscar

Cinturão no Ketllebell Sport, by Leonel Mota Ribas

Atualizado: 6 de Fev de 2019

#kettlebell #kettlebellsport #liftingbelt #cinturaodelevantamento #cinturaonokettlebell #cintodetreino #cinturaodetreino #cinturaolombar #posicaoderack #kettlebellrack #kettlebelljerk #descansonokettlebell #cinturaodesuporte #suporteemrack #rackposition #acessoriodelevantamento #leonelribas #motaribas #leonelmotaribas



Uso do Cinturão para otimizar a posição de rack (rack position) no kettlebell sport. Atleta Leonel Mota Ribas com 2 x 28kg

No Kettlebell Sport, a vestimenta e os acessórios são de extrema importância para o atleta, tanto nos treinamentos quanto nas competições.


Muitas vezes, o atleta coloca os kettlebells no chão precocemente por má escolha do equipamento.


Dentre eles, destacamos o cinto (ou cinturão).


O cinto ou cinturão no Kettlebell Sport deve ser específico para o esporte, de preferência feito de couro e ter as dimensões permitidas pela federação da qual o campeonato está tutelado.


Em média (em relação à maioria das Federações Internacionais), o cinto não pode ter mais do que 6 cm na parte da frente e 12 cm na parte de trás. Quanto à espessura, aproximadamente 1 cm mas observamos cintos com até 4 camadas, ultrapassando essa medida. Nesses casos, a aprovação para uso em provas dependerá da federação que organiza o evento e do corpo de árbitros.


O cinturão deve ser usado sempre por fora da roupa e nenhum material deve ser colocado por baixo dele com o objetivo de aumentar sua espessura.


Os cintos frequentemente possuem fivela, mas podemos encontrar modelos com velcro. Alguns atletas, na posição de “rack”, posicionam os cotovelos bem próximos um ao outro, ocasionando ferimentos com a fivela.


Para sanar esse problema, esparadrapo ou bandagem pode ser colocada sobre a fivela, ou optar-se pelo uso do cinto com velcro, já citado.


O cinto é frequentemente usado nas disciplinas de competição Long Cycle e Jerk. Observamos alguns atletas excelentes utilizando-o também no Snatch, mas isso não é comum.


Abaixo, os motivos para o uso do cinto no Kettlebell Sport:



- Proteção à região lombar



Primeiro vamos entender como um cinto protege a região lombar, prática muito utilizada por basistas, levantadores olímpicos e fisiculturistas.


O cinto atua de forma indireta e não é pela parte posterior, mas pela parte da frente, opondo-se aos músculos abdominais. Com isso, há um aumento da pressão intra-abdominal, proporcionando um apoio pela frente às vértebras lombares.


À primeira vista, este parece ser o objetivo mais comum do uso do cinto, mas não é, embora existam atletas que o utilizam desta forma, principalmente aqueles com uma maior circunferência abdominal e que não conseguem alcançar o quadril (crista ilíaca) com os cotovelos ou os que apresentam pouca flexibilidade torácica.


Em atletas com esse tipo físico, o cinto é posicionado acima do quadril, apertado, e a barriga serve de base para o “bump” (impulsionamento rápido para lançar as peças verticalmente para cima).


Não é uma forma incorreta do uso, apenas adaptada à morfologia, técnica e preferência do atleta.


Exemplo: Ivan Denisov, um dos maiores recordistas absolutos e referência mundial de todos os tempos - RUS.



- Suporte para os cotovelos



Esta é a forma mais usada do cinto, principalmente por atletas com boa flexibilidade torácica e que conseguem alcançar o quadril com os cotovelos.


O cinto é usado mais para baixo, não tão apertado, funcionando como uma plataforma para o apoio dos cotovelos.


O “rack” (posição de "descanso" do atleta que empunha os pesos ao nível do peito) fica mais confortável, possibilitando um maior relaxamento dos deltóides e tríceps.


Também serve como base para facilitar o lançamento do kettlebells para cima (“bump”).


Exemplo: Kimberly Fox, atleta estadunidense detentora de vários recordes e títulos mundiais, treinada pelo ex-atleta pentacampeão mundial e coach russo Arsenij Zhernakov.



- Evitar abertura dos cotovelos na posição de “rack”



Esse benefício pode atuar em conjunto com o item acima. No “rack”, o cinto evita ou minimiza a abertura dos cotovelos, proporcionando uma maior economia de energia, principalmente nos minutos finais de uma série, quando pode ocorrer um indesejado “pump” muscular nos músculos peitorais. Exemplo: Denis Vasilev. - Uso do cinto no Snatch Esta prática não é comum, mas podemos observar alguns atletas de elite utilizando o cinto durante o Snatch, obviamente com o objetivo de suporte à região lombar. Exemplo: Sergey Merkulin.



- Não usar o cinto



Caso o atleta não necessite de proteção à região lombar e tenha conforto em apoiar os cotovelos na crista ilíaca ou na barriga, ele pode não necessitar do cinto.


Alguns treinadores sugerem algumas séries sem cinto, durante os treinos, visando aumentar o desconforto e a dificuldade.


Contudo, não observamos essa prática com frequência.


Exemplo: Anton Anasenko.


O cinto perfeito é aquele te proporciona conforto e desempenho (marcas maiores). É um acessório individual, diferentes atletas usam diferentes cintos.


Até um mesmo atleta pode usar diferentes tipos de cinto durante uma temporada, dependendo de sua massa corporal. Pode levar um tempo, mas você saberá quando acertou na escolha do cinto.


Para isso, não hesite em testar marcas, modelos, tamanhos, etc. em treinos e em competições, pois no Kettlebell Sport, o que vale são as repetições e o cinto correto, certamente irá ajudá-lo a chegar ao tão esperado PR.


Obs.: PR - Personal Record. Também é comum o termo PB (Personal Best) entre técnicos e atletas de Kettlebell Sport.


Sobre o autor:


Atleta, coach e professor Leonel Mota Ribas


Leonel Mota Ribas (CREF: 15148-G/SP) é economista e educador físico.


@motaribas


Especialista em Fisiologia do Exercício (CSCS-NSCA) possui várias certificações em Kettlebell Sport.


Competidor de Kettlebell Biathlon e de Natação Master.


Tem como melhores marcas em provas clássicas de kettlebell sport (10min):

- Jerk 28 kg: 103 reps

Snatch 28 kg: 202 reps.

74 visualizações